O que acontece na comunidade judaica de Santa Catarina passa por aqui. Ações, projetos, celebrações, cultura, espiritualidade e muito mais!

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Chanucá -



Profª Drª Jane Birmacher de Glasman

Doutora em Língua Hebraica, Literaturas e Cultura Judaica - USP, Professora e Coordenadora do Setor de Estudos Hebraicos da UERJ, Professora do ISTARJ, Fundadora e ex-Diretora do Programa de Estudos Judaicos - UERJ, Professora e Coordenadora do Setor de Hebraico - UFRJ (aposentada), Coordenadora do Grupo de Estudos Beer Miriam-ARI, membro do Diálogo Judaico-Cristão, escritora

Introdução
Toda festa judaica tem bases histórica, literária, ecológica e/ou ligada à natureza... além de rituais e comidas típicos e simbólicos!
Chanucá congrega estes elementos - fatos históricos (período helenista, revolta judaica), livros pós-bíblicos (Judite, Macabeus, Talmud), natureza (solstício de inverno) - convergindo ao reforço do monoteísmo ético judaico.
Seu simbolismo é fascinante - bem como os questionamentos que suscita. Escrever um pouco sobre eles é minha forma de desejar Chag haUrim Sameach, Feliz Festa das Luzes!

Fatos e lendas
Desde a morte de Alexandre da Macedônia, no ano 323 a.e.c., os governantes gregos da Palestina fizeram contínuos esforços para forçar o povo judeu a abandonar sua fé e adotar as idéias e costumes helenísticos. A maioria do povo resistiu. O Rei Antíoco da Síria, em 175 a.e.c. empregou força, culminando com a profanação do Templo de Jerusalém, obrigando os judeus a ajoelharem-se ante os ídolos que ali instalou.
Na aldeia de Modiin, o sacerdote Matitiahu, da família dos Hasmoneus, colocou-se à frente da revolta, com seus cinco filhos, seguidos de um audaz grupo de judeus. Chegaram a bater seus inimigos, a princípio nos montes da Judéia e, mais tarde em toda a região, até Jerusalém. Foi a luta de um punhado de homens contra uma multidão, de fracos contra fortes. Venceram grandes exércitos sírios, possuidores de elefantes e máquinas de guerra. Como divisa, os judeus inscreveram em sua bandeira as palavras da Torá: "Quem é como Tu entre os deuses, Senhor?", de cujas iniciais hebraicas formou-se o nome Macabeu (Macabi), sob o qual ficaram conhecidos os guerreiros. Makevet, do mesmo radical em hebraico, significa martelo, aludindo aos golpes assentados ao adversário. De acordo com outra teoria, Macabeu era o grito de guerra dos judeus contra os sírios.
Em 25 de Kislev de 165 a.e.c. (3 anos após a profanação), os macabeus entraram no Templo e voltaram a dedicá-lo ao serviço de D'us.
O Talmud acrescenta: "Quando os Hasmoneus venceram os gregos, fizeram uma busca no Templo e encontraram somente um frasco de azeite intacto e inviolado com o selo do Cohen HaGadol (Sumo Sacerdote). Este continha azeite suficiente para iluminar um dia, mas ocorreu um milagre e a menorá permaneceu acesa durante oito dias. Um ano depois, a data foi designada festividade em que se recita o Halel e oração de graças." (Shabat 21b).
Para recordar a vitória dos Hasmoneus e o milagre do óleo, celebramos a festa de Chanucá (inauguração), cujo nome refere-se à reinauguração do Templo, após a vitória.
A luta continuou. Iehuda e seus irmãos Ionatan e Shimon, continuaram fortalecendo o país e revogaram os éditos de Antíoco, proclamado a Judéia um estado independente. Shimon tornou-se Príncipe da Judéia, instituindo a dinastia de Hasmoneus, que ampliou as fronteiras do reino; no tempo do Rei Alexandre Ianai estendia-se do deserto além do Jordão até o Mediterrâneo e do Líbano até Rafia. A dinastia continuou reinando depois da conquista romana em 67 a .e.c até a morte do último rei Hasmoneu, em 37 a.e.c.[2]
Uma explicação menos conhecida para a festa remonta a tempos bíblicos: um ano após o Êxodo do Egito, em 25 de Kislev, foram concluídas as obras do Mishcan, o Tabernáculo.
Não posso deixar de mencionar entre possíveis origens arquetípicas (como outras festas, regulamentadas pelos rabinos sob a égide judaica monoteísta) festividades pagãs para deuses representando o sol, já que nesta época, no hemisfério norte, ocorre o solstício de inverno: os dias tornam-se cada vez menores e, celebrações com luzes e comidas eram realizadas, na esperança do reaparecimento do sol e de um inverno não rigoroso demais.
http://www.webjudaica.com.br/chaguim/textosFestaDetalhe.jsp?textoID=41&festaID=18

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! Gostamos muito de sua visita. Obrigado pela sua mensagem!